Nilton Bobato
   CONTO 7

A BARBEARIA

 

A navalha desliza pelo pescoço, lentamente. O barbeiro, um nordestino falante, limpa o instrumento com um líquido desconhecido para o cliente, provavelmente álcool com alguma mistura e volta a deslizar a lâmina afiada pelo pescoço do homem grisalho, raspando os fios de barba negra com fios brancos que teimosamente insistem em ficar ali. Com a outra mão umedece a garganta e o queixo do cliente com outro líquido pastoso. É trabalho de artista moldando sua obra.

O homem sentado, com a cabeça deitada para trás horizontalmente ao corpo, apoiada por um suporte colocado na cadeira, a jugular completamente submissa ao lento deslizar da navalha e à mão do barbeiro. Sente-se como o tronco sendo esculpido pelas mãos ágeis do artesão, indefeso, entregue à sua vontade.

“Este cidadão pode fazer o que quiser comigo. E se esta navalha escorregar e cortar minha garganta? Ele pode dizer que foi apenas um acidente”.

O barbeiro continua o trabalho com maestria. A lâmina percorre suavemente a pele do pescoço, subindo em movimentos verticais e ritmados até a curva do queixo. Com o lado da mão esquerda desloca levemente o rosto do cliente para a direita e com a outra faz o instrumento cortante percorrer o lado esquerdo da mandíbula.

“O homem tem poder sobre mim. Se eu fizer um movimento brusco darei a ele a justificativa de que precisa para dizer que é um acidente”.

Com um novo leve toque, o barbeiro vira o rosto do cliente para o lado esquerdo e reinicia o processo de percorrer a navalha pela mandíbula, antes umedecendo o local com o líquido pastoso. Após limpar a lâmina em um tecido exposto sobre o pequeno balcão a sua frente, o barbeiro faz pequenos toques com a navalha entre o lábio superior e o nariz para corrigir o bigode.

“Se eu cortar a jugular deste cara, não vai dar nem tempo dele gritar. Deveria fazer isso com este filho da puta. Ele nem me reconhece, nem lembra o que me fez passar. Faz tempo, né desgraçado? Você esqueceu. Eu não. Seria muito simples, vingança fácil. A lâmina escorregou”.

Faz a navalha percorrer a parte inferior entre o lábio e a curvatura do queixo. Após executar esta etapa, conduz o instrumento até as proximidades da orelha direita e desenha uma pequena costeleta. Alterando a direção do rosto do cliente, o barbeiro faz o mesmo do lado esquerdo. Outra vez massageia o pescoço do cliente com o líquido pastoso e mais uma vez faz a lâmina deslizar sobre a jugular do homem sentado na cadeira, desta vez horizontalmente. A obra quase pronta, o artista a admira.

“Ou ele poderia simplesmente fazer um movimento brusco do lado contrário, digo que a navalha encontrou uma veia saliente e, coitado, o homem morreu, o sangue jorrou. Ele irá agonizar, ver o sangue esguichar até o teto. Desesperados chamaremos a ambulância, mas quando chegar será tarde demais. Doce vingança”.

Com agilidade, o barbeiro massageia o pescoço do cliente, percorrendo com as duas mãos banhadas por uma loção pós-barba com odor de menta todos os lados do pescoço. O tronco agora é arte exposta.

“Obrigado senhor. O pagamento é no caixa. O próximo”.

“Obrigado você. Gostei desta barbearia e o seu trabalho é bom, voltarei na semana que vem”.

“Estou aqui para lhe atender, senhor”.

 

 



Escrito por Nilton Bobato às 11h19
[] [envie esta mensagem] []


 
   POESIA 15

CONVERSA DE UMA MANHÃ

 

Eu direi para você

Outros já escreveram disso

Você já falou disso

Mas não se importe

Venha falar de seus amigos

E de seus inimigos

Venha brincar de sorrir e pular

Correr

Olhar o sol se pondo

Admirar o sol nascendo

Deixa eu repetir as mesmas coisas

Talvez até colocar uma bola vermelha

No nariz

Não estarei só

Olhe em meus olhos

Veja as nuvens por detrás das montanhas

Você prefere não acreditar

Mas existem riachos

Estradas de chão

Janelas para olharmos

Ver através das grades

Vamos pular carnaval

Sem noção de samba

Cantar uma música

Sem qualquer afinação

Salte os buracos das calçadas

Esburacadas

Aceite o risco de tropeçar

Não se prenda

Atravessaremos a ponte

É só olhar o horizonte

Está ali tão próximo

Quem diz que não dá

Eu estava em casa só

Foi você que começou

Agora não me venha

Com estas conversas

Há brilho no sol

E você prometeu sorrir

Então me dê um sorriso de bom dia.



Escrito por Nilton Bobato às 16h43
[] [envie esta mensagem] []


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 



Meu perfil
BRASIL, Sul, FOZ DO IGUACU, Homem


HISTÓRICO



OUTROS SITES
 BRASIL CULTURA
 Revista O Martelo
 Vermelho - A esquerda bem informada
 Cristovão Tezza
 Fausto Wolff
 Miguel Sanches Neto
 Luiz Henrique
 Milton Alves
 Gérson Vagner
 Mysk 1
 Mysk 2


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!